.bookmark{ padding:0px; margin-top:15px; background:#ddd; } .bookmark a:hover { position: relative; top: 1px; left: 1px; } .bookmark img { border: 0; padding:0px; margin-top:15px; } -->

Tamanho da Letra

-A - +A

O sucesso do Nazismo (1933-1945)

Twit This! |

A Arma da Propaganda

Um dos aspectos determinantes para o sucesso do nazismo, foi a lavagem cerebral que a população alemã sofreu com a propaganda política. Além de deformar os fatos e as ações do governo e dos “inimigos dos arianos” – como os judeus eram considerados – e controlar todos os veículos de comunicação, a propaganda conseguia atrair muitas pessoas para a causa nazista. Na qualidade de ministro da Informação Popular e Propaganda, Joseph Goebbels (1897-1945), a quem é atribuída a frase “uma mentira contada muitas vezes torna-se verdade”, foi o grande articulador da propagação do pensamento político de Hitler.

Em qualquer regime, a propaganda é estratégica para o exercício do poder. Seu papel, entretanto, ganha grande destaque nos regimes em que o Estado, por monopolizar a mídia, exerce severo controle sobre ela, procurando bloquear toda atividade espontânea. A ilusão de unidade e harmonia social, tão atraente para a maioria dos indivíduos, tende a ser reforçada pela atuação dos meios de propaganda, que procuram criar artificialmente essa impressão. Os mitos produzidos pelos regimes reavivam o desejo de felicidade e comunhão, porque prometem um mundo ideal. A propaganda procura atuar em relação a sentimentos, instintos e imaginação. Ou seja, a força que ela impulsiona e procura controlar é emocional. O objetivo é exaltar sensibilidade e provocar paixões. No livro Minha luta, Hitler definiu o papel da propaganda política nos seguintes termos:

“Toda propaganda deve estabelecer seu nível intelectual segundo a capacidade de compreensão dos  mais obtusos dentre aqueles aos quais se dirige. Seu nível intelectual será, por isso, tanto mais baixo quanto maior a massa de homens que se procura convencer. O povo na sua grande maioria é de índole feminina tão acentuada que se deixa guiar, no seu modo de pensar e agir, menos pela reflexão do que pelo sentimento”.

(Adaptado de D’ALESSIO, Marcia Mansor e CAPELATO, Maria Helena. Nazismo: política, cultura e holocausto. São Paulo: Atual, 2004. p. 40. Coleção Discutindo a História)

Assine nosso feed. É Grátis.

Leia Também: O Expansionismo Alemão

2 :

sosvip disse...

Boa noite Susi! Império Alemão sempre é uma boa pedida. Assunto polêmico e super interessante. Recebi seu comentário na postagem do Tsunami. Já tem a autorização que pediu. Aliás, saiba que SEMPRE que desejar, vc não precisa pedir. Tem, desde já, carta branca.
Abração.

Susi disse...

Oi Marcelo, autorizado e publicado.
Valeu! Agora vou explorar a autorização e a carta branca.
Obrigado amigo!
abs.

 

©2009 HISTOBLOG - História Geral | Template Blue by TNB