.bookmark{ padding:0px; margin-top:15px; background:#ddd; } .bookmark a:hover { position: relative; top: 1px; left: 1px; } .bookmark img { border: 0; padding:0px; margin-top:15px; } -->

Tamanho da Letra

-A - +A

Ascensão e Queda da Borracha

Twit This! |

A exploração comercial do látex, goma extraída da seringueira e do qual se obtém a borracha, ocorria desde o século XVIII. Utilizada para impermeabilizar tecidos, a borracha ficava quebradiça no inverno e pastosa no verão. Em 1844, Charles Goodyear patenteou um processo que dava mais resistência ao produto, deixando-o imune às variações de temperatura. A partir de então, as exportações do látex da região amazônica aumentaram bastante.

O grande salto, porém, deu-se a partir de 1886, com a invenção do automóvel e a necessidade de borracha para a fabricação de pneus. O Brasil passou a responder por 90% de toda a produção mundial do látex, e o produto chegou a representar 40% das exportações brasileiras.

Assim, entre a última década do século XIX e o começo do século XX, a Amazônia passou por um surto de riqueza que promoveu o surgimento de uma elite formada sobretudo por seringalistas, comerciantes e banqueiros.

Manaus e Belém se modernizaram, com a construção de largas avenidas, praças, bulevares, mercados e edifícios imponentes como o Palácio do Governo e o Teatro Amazonas, ambos em Manaus.

Teatro Amazonas - Manaus  Teatro Amazonas, Manaus

 

A euforia, entretanto, não durou muito. Atraídos pela perspectiva de altos lucros, os ingleses transplantaram mudas de seringueiras para o Ceilão (atual Sri Lanka) e Cingapura, onde a planta passou a ser cultivada de forma racional em grandes propriedades (no Brasil, ao contrário, ela crescia espontaneamente no meio da floresta). Assim, em pouco tempo os asiáticos passaram a liderar a produção mundial do látex, desbancando os produtores brasileiros. Em 1919, as vendas brasileiras no mercado externo não chegavam a 10% das exportações mundiais do produto.

Fonte: Maria da Nazaré Sarges. Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque (1870-1912). Belém: Paka-Tatu, 2000;Vulcanized rubber.)

Gislane e Reinaldo. História, ensino médio. volume único.

Assine nosso feed. É Grátis.

Leia Também: A Borracha e o cacau na economia do século XIX

2 :

sosvip disse...

Caramba, muito legal essa informação. Não tinha o menor conhecimento a respeito. 90% é um número assustador, pena ter caído tanto.
Abração Susi!

Susi disse...

Pois é, o cultivo racional, organizado dos asiáticos nos tirou a maior fonte de renda de exportações.
Mas brasileiro é assim mesmo, deixa o barco correr, e quando ele afunda, é um salve-se quem puder.
Valeu Marcelo!

 

©2009 HISTOBLOG - História Geral | Template Blue by TNB