.bookmark{ padding:0px; margin-top:15px; background:#ddd; } .bookmark a:hover { position: relative; top: 1px; left: 1px; } .bookmark img { border: 0; padding:0px; margin-top:15px; } -->

Tamanho da Letra

-A - +A

Os reinos africanos

Twit This! |

Alguns dos mais ricos e populosos reinos africanos se localizaram na região noroeste do continente, próximos aos rios Senegal, Niger e Volta. A riqueza desses reinos vinha principalmente do comércio com as caravanas árabes que atravessavam o deserto do Saara em busca de ouro, sal e e escravos.

Um dos mais antigos desses impérios, surgido no século IV, chamava-se Gana e tinha Koumbi Saleh como cidade principal.Gana contava com grandes reservas de ouro e se tornou o principal fornecedor desse metal ao mundo mediterrâneo. O reino de Gana dominou o comércio do Saara até o século XI, quando se envolveu em guerras com grupos nômades e entrou em decadência.

No século XIII, o Império do Mali estabelecido na bacia do rio Senegal, passou a controlar grandes jazidas de ouro e a dominar o comércio através do Saara. Esse Império ficou famoso no mundo mediterrâneo quando seu governante, o mansa (rei) Kan Kan Musa, fez uma peregrinação a Meca  no início do século XIV.

Segundo relatos da época, o mansa levou consigo 60 mil servos, cem camelos e uma fortuna em ouro. Durante a viagem, nos locais onde se hospedavam, doava dinheiro para a construção de mesquitas. Kankan Musa retornou de sua peregrinação trazendo sábios muçulmanos que construíram escolas na capital Tombuctu e a transformaram em importante centro de estudos islâmicos.

Nos séculos XV e XVI o comércio através do Saara passou a ser controlado pelo Império Songhai, também muçulmano, cuja capital ficava em Gao. 

No o século XV, havia ainda no norte da África os reinos de Fon, na foz do rio Niger, de Kanen-Bornu, em torno do lago Chade, e da Etiópia, próximo ao mar Vermelho, o único reino cristão da África. O cristianismo teria sido introduzido por um náufrago sírio chamado Frumêncio no século IV, quando  existia na região o reino de Axum. O cristianismo foi bem recebido pelos governantes axumitas, que transformaram a Igreja em proprietária de grande parte das terras do reino.

No sul da África ficava o reino de Monotapa, e tinha como principal atividade econômica o comércio de ouro e marfim realizado por mercadores árabes no porto de Sofala (atual Moçambique). A capital do reino ficava no interior do continente, na grande Zimbábue. As muralhas de granito dessa cidade, com dez metros de altura, existem até hoje, cinco séculos depois de a cidade ter sido abandonada.

As sociedades muçulmanas

No século XV, havia no sudoeste da Ásia e no leste e norte da África uma extensa área governada por povos muçulmanos, que se dedicavam principalmente ao comércio. As cidades de Mogadíscio, Melinde e Mombassa eram os maiores centros desse comércio, praticado pelos muçulmanos entre a África e a Ásia.

Da África central vinham metais, marfim, peles e escravos; da Ásia chegavam tecidos, porcelana e alimentos. Essas mercadorias eram distribuídas no norte da África e no Oriente Médio.

A vida nas cidades muçulmanas do século XV

As casas tinham poucos móveis permanentes, além de arcas e armários. Um historiador do Cairo sugeriu que o papel desempenhado pelo mobiliário de madeira nas casas européias era aqui assumido pelos têxteis.

As salas de visitas tinham sofás almofadas estofadas, postas no chão ou sobre estrados de madeira ou pedra, tomavam o lugar das camas. As paredes eram cobertas de reposteiros (cortina ou peça de tecido pendente das portas interiores da casa), os pisos e camas, de tapetes. À noite, usavam-se para iluminação lâmpadas de azeite, de cobre; no tempo frio, instalavam-se braseiros de cobre, queimando carvão ou madeiras aromáticas.

As refeições eram servidas em grandes bandejas redondas de prata ou cobre, apoiadas em suportes de madeira. Usavam-se tigelas e xícaras de barro – ou, entre os ricos, de porcelana chinesa – para comer; vasos de cobre, vidro ou barro para beber. Pedaços de pão plano podiam ser usados para tirar a comida do prato central, mas entre os ricos usavam-se colheres e facas.

Os impérios asiáticos

Quando os europeus chegaram ao Japão, em 1543, esse Império era o governado pela dinastia Ashikaga (1333-1573). A cidade de Kyoto tinha  então mais de 150 mil habitantes e era uma das mais populosas do mundo. O Império, porém estava enfraquecido pelas disputas de poder entre os xoguns.

A China,  por sua vez, era governada pela dinastia Ming, no poder desde a expulsão dos mongóis, que dominaram os chineses de 1279 a 1368. Durante o período Ming, os chineses fizeram grandes expedições pelo oceano Índico. Para impedir novas invasões do território, os imperadores reforçaram a segurança da Muralha da China. No entanto, não conseguiram impedir que, em 1557, os portugueses estabelecessem uma colônia em seu território. Chamada de Macau, ela só foi reincorporada ao território chinês em 1999.

Já a Índia, entre os séculos XI e XIV esteve quase toda dominada por populações muçulmanas vindas do oeste que entraram em conflito com os hindus. No fim do século XIV, as tropas de Tamerlão conquistaram uma vasta região ao norte da Índia e constituíram o Império grão-mogol, que existiu até 1761.

OLDIMAR, Cardoso. coleção Tudo é História. ensino fundamental.

 

8 :

nicolas disse...

Nossa isso é incrível !!!!!
mas prefiro sexoooooooooooooooooooooo

thaizinha disse...

gosteii muito... vai me ajudar a fazer o trabalhode historia...
obrigadoo

Projeto Agosto disse...

nossa muito booo vai me ajuda muito no trabalho de história !!!!!

daya x3 disse...

putz cara me ajuudo

muiito
valeu^^,

(L' UAHSUAHUSHAHSU²³²

Anônimo disse...

Valeu ae me ajudou muito!

Anônimo disse...

Minha professora tirou um trabalho da manga, sobre isso no final de semana ,vlw cara.

everton disse...

me ajudou muito vou tirar um notaõ em historia

everton disse...

valeu me ajudou muito em historia

 

©2009 HISTOBLOG - História Geral | Template Blue by TNB